Tijolo de Solocimento


Como Construir com Tijolo de Solocimento

Compilando uma série de dicas e informações que foram obtidas da Internet e de conversar com engenheiros projetistas estruturais especializados neste material. Além disso, alguns aprendizados obtidos na prática, na obra.

O tijolo de solo-cimento é um tijolo considerado ecológico, principalmente pelo fato de não ser cozido (assado) como o tijolo convencional, necessitando de muito menos energia e, portanto, tendo sido eliminado muito menos carbono na atmosfera durante sua produção. Para assentamento, utiliza-se apenas um filete de argamassa aplicada com bisnaga (em geral improvisada com garrafa PET com pequeno furo na tampa) e/ou utilização de grautes. E a matéria-prima é simplesmente terra, desde que não muito arenosa que normalmente pode ser a do local da obra. Assim, não há degradação dos locais de extração de argila.

É constituído basicamente de terra e uma pequena percentagem de cimento. Na sua produção, prepara-se a mistura com água que é levada a uma prensa manual ou hidráulica. Depois deve ser deixado imerso em água para garantir a cura completa. O ideal, quando possível, é ter ou locar a prensa para preparo no canteiro de obra, evitando custos e emissão de gases decorrentes do transporte.

É duas a quatro vezes mais resistente à compressão que o tijolo convencional, especialmente se utilizar sobras moídas de demolições. Possui propriedades térmicas, inclusive por reter umidade. Esta evapora com o calor e resfria o tijolo, ajudando ainda mais a manter a casa fresca.

Isto nos leva um ponto importante: o ideal é impermeabilizar vigas baldrame evitando umidade ascendente, impermeabilizar o interior de banhos (fontes de muita umidade), mas deixar o máximo possível exposto ou com impermeabilizante permeável a vapor, ou tinta mineral (cal por exemplo).

Tijolos de solo-cimento


Possui dois furos, por onde podem ser passados os grautes, tubulações hidráulicas ou conduítes elétricos. O tijolo se encaixa perfeitamente um sobre o outro, lembrando blocos de Lego. Existem dois tipos de encaixe, o redondo (que lembra mais o lego, reduzindo a movimentação lateral) e o reto (que permite a movimentação lateral, objetivando suportar dilatações e contrações, em tese, evitando trincas. Graças ao encaixe, ganha-se tempo ao empilhar as fileiras de tijolos. Entretanto, é fundamental que a primeira fileira, sobre a viga baldrame, esteja perfeitamente alinhada e prumada.

Pode haver grande economia de material, da argamassa (apenas filete como dito acima) e reboco (nenhum, se deixar o tijolo aparente, ou uma camada bem mais fina - apenas alguns milímetros - que o tijolo convencional). Afirmam os fabricantes que embora o tijolo seja mais caro (cerca de R$ 800,00 o milheiro), a construção sai mais barata por necessitar de menos argamassa e usar menos ou eventualmente não usar reboco ou pintura. Cabe observar que embora haja economia com rejunte, o concreto do graute é caro e deve ser feito estudo cuidadoso de custos. Alguns fabricantes afirmam que há redução de até 30% no custo da alvenaria, em relação ao tijolo cerâmico de 8 furos.

O fabricante deve se assegurar de usar proporções adequadas de cimento e molhar com perfeição o tijolo, idealmente deve ser mergulhado e mantido imerso por algum tempo durante a fabricação para garantir que todo o tijolo terá seu cimento curado (endurecido).

No entanto, o tijolo apresenta algumas desvantagens:
  • No caso de paredes com o tijolo exposto, caso seja necessário fazer algum reparo, deve-se remover com muito cuidado somente a face do tijolo a ser substituído, usando serra e talhadeira. É necessário encontrar um tijolo com tonalidade semelhante (o que nem sempre é fácil), recortar sua face com muito cuidado e aseentá-la com argamassa tipo cimento-cola.
  • A mão-de-obra precisa ter capricho, muito bem qualificada.
  • Uma vez manchado, manchado para sempre (devido à porosidade), vide abaixo sobre a impermeabilização. Se sujar durante o assentamento, deve ser limpo logo em seguida.



DICA DE OURO (não achei em nenhum outro site)

Uma importante consideração ao construir com tijolo de solo-cimento é a integração dos projetos arquitetônico e estrutural. Assim, é importante observar ainda durante a elaboração do projeto arquitetônico, que a casa deve valer-se das vantagens inerentes a este tipo de tijolo, em especial ao método construtivo de alvenaria estrutural. Neste método, passa-se um ferro  pelos orifícios alinhados dos tijolos assentados, preenchendo de graute (argamassa mais líquida, para penetrar no furo) e formando mini-colunas.

Existe um tipo especial de tijolo de solo-cimento conhecido como canaleta, que serve ou para tubulações / conduítes horizontais ou para a criação de vigas / vergas.

E o que este método construtivo tem a ver com o projeto arquitetônico? É que ele requer que, no caso de sobrados, tenha-se a preocupação de fazer PAREDE SOBRE PAREDE. Grandes vãos devem ser evitados. Vigas em balanço devem ser evitadas. Aliás, vigas devem ser evitadas. Assim se assegura que se aproveitará ao máximo as virtudes do tijolo e seu método construtivo.

Uma desvantagem do tijolo é seu peso. Se sua casa (como a nossa) usar estrutura convencional com colunas e vigas e tijolo de solo-cimento para fechamentos, pode ser uma boa idéia usar tijolo convencional sobre vigas ou nas paredes "molhadas" (onde passam tubulações hidráulicas, como nos banheiros) para facilitar a instalação de tubulações e metais.

Infelizmente, na nossa casa acabamos optando por substituir parte do tijolo ecológico por convencional no piso superior. Isso também é sustentabilidade, pois isso permitiu reduzir a quantidade de ferro e concreto da estrutura. No térreo, foi utilizado em todas as paredes e muros. A economia de massa já é evidente.


IMPERMEABILIZE ASSIM QUE SUBIR A PAREDE!

Descobrimos da pior maneira que é fundamental limpar e impermeabilizar a parede / muro assim que erguida. Caso isso não seja feito, pela porosidade natural do tijolo (o que confere algumas das excelentes propriedades, como frescor no verão, pela evaporação), as sujeiras podem infiltrar-se profundamente, manchando os tijolos irreversilvemente, não adiantando lixá-los.

Naturalmente, queremos manter a porosidade, a propriedade de "respirar" dos tijolos. Para tanto é importante usar um hidrofugante do tipo que "respira", ou seja, permeável a vapor, mas impermeável à água em sua forma líquida. Existem produtos com essas propriedades no mercado.

Caso as paredes sejam rebocadas, é bom fugir da massa corrida e tinta látex ou acrílica convencionais, que acabariam impermeabilizando tudo. A opção é usar de tintas de base mineral como a cal (vide tópico "Tintas").

anúncio

Comments